SOZINHO NÃO SOU NADA!

Gosto de perceber que as pessoas se estressam facilmente, a começar por mim, nestes tempos modernos e que deixam que “os nervos à flor da pele” façam com que tomemos atitudes que nem sempre podem ser revertidas, pois fizeram marcas indeléveis nos encontros do dia a dia…. 

Gosto de lembrar daquela estória que ouvi certa vez numa rádio… “Era uma vez uma certa senhora que olhava pela vidraça de sua casa e só via as roupas que a vizinha lavava sempre sujas e comentava com seu marido: venha ver, esta vizinha não sabe lavar direito suas roupas e as estende no varal daquele jeito… precisa aprender a lavar! Mas um dia, após muitas murmurações da esposa o marido chama a mesma para a janela e a esposa diz: é… ela aprendeu a lavar, veja como estão limpas suas roupas; ao que o marido diz: eu lavei nossa janela hoje!”. Pois é, por vezes nós ficamos falando das sujeiras das pessoas e nos esquecemos que pode ser nossa janela da vida mais suja que as pessoas a quem questionamos ou condenamos… 

Certa feita um amigo meu precisava de auxílio em certa área e eu, ao encontrar alguém que o podia assessorar, avisei que  procurasse e o mesmo, sem saber de meu feito, atendeu mal a pessoa então eu, estando próximo a ele, percebi o mal entendido e tive que intervir ao que mudara de atitude para com a atendente… É… Precisamos manter a calma com aqueles que prestam serviços a nós, pois este pode nos ajudar em momentos difíceis que possamos passar…  

Muito ouço das pessoas criticarem seus sogros e, nos momentos mais difíceis é justamente este que vem em socorro…  

Muito ouço das pessoas murmurações contra esta ou aquela pessoa; mas, nos momentos mais enfadonhos e perigosos de suas vidas são estas mãos estendidas a lhe “tirar do buraco” e se tem que “colocar o rabo entre as pernas” e aceitar a mão amiga estendida na “hora do aperto”. 

Não podemos nos dar ao luxo de desdenhar as mãos estendidas em nossa vida; sejam elas de quem forem, pois precisamos das pessoas para sobreviver e, por vezes daquelas que menos esperamos,  pois se faz justo lembrar a velha frase: “nenhum homem é uma ilha” como nos disse John Donne (1572-1631), um poeta inglês… Não podemos viver sem a presença de outrem ao nosso redor! Não somos autônomos na vida! 

Sei o quanto é difícil, mas devemos aprender a olhar as pessoas como pessoas e como nos diz o Grande filósofo, Grande professor de vida, Grande em tudo JESUS CRISTO: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.(Mateus 22, 35-38) 

Temos que aprender a aprender com as pessoas e com os encontros e desencontros da vida… 

Amo sempre dizer isso: Não esmoreçamos na luta diária por ver um mundo melhor, pois, se cruzarmos os braços não chegaremos a lugar algum… 

Com um beijo de Jesus, pelos lábios de Maria e no abraço de José em seu santo coração… 

 

Pe. Delair Cuerva,fmdp 

By | 2019-05-07T01:09:53-03:00 maio 4th, 2019|Artigo|0 Comments

About the Author:

Leave A Comment